Marcos Roberto da Silva, 39

Marcos Roberto da Silva, de 39 anos, também sofria de Comunicação Interatrial e foi o segundo a ser operado pelo novo método com o robô. “Sempre fui esportista, mas me cansava muito fácil. Um dia, tive um início de um AVC e só assim eu descobri que tinha esse problema. Precisava ser operado e fiquei muito satisfeito quando soube que não precisariam abrir o meu peito e nem serrar o osso do tórax”, lembra.
“Minha recuperação foi 100%. No mesmo dia da cirurgia eu já podia me sentar. Agora estou me sentindo bem e estou indo para casa hoje, bastante tranquilo. O assessoramento dessa equipe médica é de primeiro mundo. E é importante as pessoas saberem que essa nova tecnologia vai curar doenças e oferecer uma recuperação tão rápida quanto a minha”, afirmou Marcos, minutos antes de receber alta, apenas três dias após a cirurgia.