Luzia Cristina Debatin, 34

Luzia Cristina Debatin, de 34 anos, foi a primeira pessoa a ser operada com a utilização do robô na América Latina. Depois de 4 dias da operação, recebeu alta e pode voltar para casa, em Santa Catarina. “Fiquei muito honrada quando soube que seria a primeira e muito feliz em me recuperar tão rapidamente”, contou Luzia. “Desde o começo, os médicos me deixaram muita tranquila em relação à segurança da cirurgia”.
A partir da entrada na fase adulta, Luzia queixava-se de cansaço, fraqueza e dificuldade para respirar – sintomas de uma doença congênita chamada Comunicação Interatrial, caracterizada por uma abertura entre os dois átrios do coração, que permite a passagem de sangue de um para o outro. Essa movimentação sanguínea, reflexo de uma má formação do septo que separa os dois átrios, aumenta a pressão e o fluxo nos pulmões, provocando fadiga, insuficiência cardíaca e falta de ar.
Para Luzia, a recuperação foi uma surpresa. “Até mesmo a região onde foi realizado o corte, que estava roxa, já voltou ao normal. E não sinto mais a falta de ar”, afirmou, aliviada, antes de receber alta.
Seu marido, Raulino Freitas, de 56 anos – que já passou por uma cirurgia cardíaca convencional – conta que demorou muito mais para se recuperar e que aceitou rapidamente que ela fosse operada com a utilização de robótica. “Não pairaram dúvidas. Ficamos muito seguros porque o robô tem menos chance de errar. Além disso, é programado por uma equipe de médicos especializados, por isso já esperávamos pelo acerto”, explicou Raulino